quarta-feira, 20 de abril de 2011

Eternos amantes...

Vai realmente desistir de tentar?



 Por que me desprezaste? Por que traíste teu coração, Catherine? Tu me amavas… que direito tinhas então de me deixar?  Que direito… responde-me… por causa do miserável capricho que sentiste por Linton? E quando nem a miséria, nem a degradação, nem a morte, nem nada que Deus ou satanás pudesse infligir-nos poderia separar-nos, tu, por tua própria vontade, o fizeste. Eu não parti o teu coração… foste tu que o quebraste e, quebrando-o, quebraste também o meu.E tanto pior pra mim, que sou forte. Tenho eu necessidade de viver? Que vida será a minha quando… Oh! Deus! Terias tu vontade de viver com tua alma metida em um túmulo?

- Deixa-me sozinha. Deixa-me sozinha – soluçava Catherine. – Se tenho a culpa, morrerei por causa dela. Basta! Tu também me abandonaste, mas não me queixarei! Eu te perdôo. Perdoa-me também!


- É dificil perdoar olhando esses olhos, tocando essas mãos descarnadas – respondeu ele. – Beija-me de novo, mas não me deixes ver teus olhos! Eu perdôo o que me fizeste. 


Eu amo o meu assassino… Mas o teu! Como o poderia eu perdoar?

(Heathcliff e Catherine - Morro dos Ventos Uivantes)


Eu te amo Tuany. E vc mais que qualquer pessoa, sabe como está doendo isso que acontece entre nós!

3 comentários:

  1. E assim me deixaste na solidão! Mesmo sabendo que estarei eternamente esperando o teu amor.

    ResponderExcluir
  2. Este foi um tanto quanto mais pesado. Senti uma ar até mesmo fúnebre em cada palavra. Feliz em saber que cavaleiros não morrem...Nem que tenham de viver como zumbis. Maximus é eterno, aprendeu que com dor, pode suportar e pode saber viver...

    ResponderExcluir
  3. É uma passagem bem forte da história essa! E é como estou me sentindo. Só espero que ela volte...

    ResponderExcluir