quinta-feira, 8 de setembro de 2011

O cavaleiro, parte 15: Na escuridão



Demorou um pouco até se preparar e chegar ao lugar onde o monstro está! Conforme ele vai chegando, o cheiro da mortes infesta o lugar! Animais carniceiros espreitam esperando por restos se alimentar. Ele percebe nos olhares dos soldados o pavor. E é algo real! Quanto mais vai chegando perto do lugar,  o cavaleiro vai vendo restos pelo chão. O lugar é um verdadeiro palco de guerra! O cheiro, as armaduras destruídas no chão.  Cabeças, braços, espadas, tudo espalhado mostrando que os combates foram horríveis. Árvores no chão, arrancadas pela raiz. Que tipo de monstro pode ser esse? Fica pensando o cavaleiro. "É só seguir em frente!" Tendo seus pensamentos interrompidos pelo soldado. "Não iremos mais adiante! É naquela caverna que a filha do rei está!" Virando e disparando rapidamente do lugar. O cavaleiro até entende o medo deles. Devem ter travado muitas batalhas contra o monstro. O lugar está completamente silencioso! O cavaleiro sabe que precisa completar sua missão, para assim ter o tesouro que diz onde está seu amor! Ele desce do cavalo e começa a se dirigir para a entrada da caverna. E pisando entre restos de cavaleiros e poças de sangue ele mergulha na escuridão. Ele poderia acender uma tocha, mas se o fizer, indicaria sua posição. O cheiro da podridão infesta o lugar. Ele anda lentamente... não enxerga nada! O pequena luz da entrada já não existe mais. E o que ele enxerga, em menos de 1m metro está! Aos poucos sua visão vai se acostumando. Mas mesmo assim é muito pouco para se preparar para algo. Está tudo tão quieto. Aos tropeços ele vai seguindo. Totalmente cego. Parece que ele nem existe no lugar... a escuridão... o silêncio... parece ter apenas ele e mais nada. A única coisa que ele sente é seu coração batendo, e seus pensamentos que o ajudam continuar. Ele está com a espada e escudo em mãos. Preparado para qualquer coisas que possa acontecer. Ele não tem medo do lugar, nem dos desafios que pode enfrentar. Ele está com seu amor ao lado, sua fé e esperança de poder assim poder salvar uma inocente das garras do desconhecido. O cavaleiro cruza o lugar sem ao menos saber onde está. Mas conforme mais anda, mais começa pequenos sons escutar. Isso o deixa acelerado. Preparado para um possível combate travar. Ele vai seguindo o som, parece de um animal... desconhecido. Quanto mais forte vai ficando o som, mais o cavaleiro vai lentamente a cada passo indo. Ele começa a ver uma pequena luz mais a frente! E agora o som foi trocado por um choro! Choros! O cavaleiro começa a acelerar os passos na impulsividade do seu temperamento, afim de assim descobrir quem é esse seu inimigo, que nas sombras sempre está! Ele começa a correr para a luz de onde os choros estão vindo e antes de entrar no lugar ele vê uma monstruosa figura aparecendo na sua frente para atacar! O ataque foi tão rápido que o acertou, destruindo o escudo em um só golpe! O cavaleiro está assustado! A figura que o atacou desapareceu na escuridão! Ele não viu direito o que era. Era enorme! Como uma besta-fera! Ele ouve o rosnar do monstro. O monstro o ataca covardemente usando a escuridão do lugar. O cavaleiro tenta se defender com a espada como pode! É questão de segundos para reagir. O que ele enxerga, já é próximo demais para poder pensar. Ele age por instinto. Pela sua sobrevivência. O monstro o ataca e ele consegue desviar, mas o seguido golpe o acerta arrancando o elmo! O cavaleiro sangra. O braço esquerdo ainda dói da pancada do golpe que destruiu o escudo. E ele sabe que não irá durar muito assim. Ele precisa chegar até onde está a luz, para poder assim enxergar seu covarde inimigo. O Monstro o ataca sem parar, sem dar tempo nem para respirar. O cavaleiro está se esforçando ao máximo para se concentrar, mas os rosnar histérico e psicótico do monstro a cada golpe o deixa mais e mais aterrorizado. Ele não pode desistir agora! O cavaleiro foi até o inferno procurando seu amor! Voltou e agora está buscando conquistá-la novamente! Ele está nessa jornada crente que até ela, ele vai chegar! O monstro o acerta brutalmente arrancando a espada da sua mão. O cavaleiro caído está se preparando para o fim. O monstro o ataca e o cavaleiro se salva milagrosamente. O monstro está brincando com ele. Como se a presa finalmente se rendesse ao predador. Cansado e esperando o próximo golpe sem forças pelo tanto que está se esforçando, o cavaleiro se rende ao seu destino. Mas antes do monstro atacar, acontece algo... o colar que ele pegou no antigo castelo, que o levou até ai começa a brilhar. O lugar aos poucos começa a ser tomado por uma luz branca, suave... que parece o cavaleiro abraçar! É seu amor... dando para ele a esperança que nesse lugar escuro não podia se manifestar. E assim o monstro que nas sombras se escondia, não podia se esconder mais! O cavaleiro no chão pode ver a besta-fera correndo para sua direção. Salivando... rosnando com seus olhos vermelhos fixos nele! O cavaleiro consegue desviar do ataque do monstro rolando para o lado. O grito em total frenesi do monstro faz todos os ossos do cavaleiro tremer. Mas ele não está com medo! Seu amor mais uma vez mostrou que ele não deve desistir nunca de acreditar. E o cavaleiro pega sua espada e levanta encarando o monstro para assim o combate travar. O monstro é enorme! Peludo! Parece um urso... um demônio! O cavaleiro grita no fervor da batalha totalmente revitalizado: "Fera! Hoje você irá cair! Hoje seu reinado sombrio e essa carnificina acaba!" Partindo contra o monstro com sua espada firme na mão! O monstro contra-ataca com sua clava em mãos!  As armas se chocam e o cavaleiro é lançado longe. O monstro é incrivelmente mais forte! Lutar diretamente contra ele é suicídio pensa o cavaleiro! O cavaleiro é mais rápido, a única vantagem do monstro contra ele, era a escuridão. O cavaleiro espera o próximo ataque da ferra e desvia acertando-o. O monstro solta um estridente grito e começa a atacar o cavaleiro sem parar! O cavaleiro vai desviando como pode! Deve ter sido o primeiro golpe recebido que tomou o monstro. E numa mistura de fúria e medo ataca o cavaleiro sem parar! O cavaleiro percebe o medo do monstro disfarçado na sua fúria. Agora ele não tem como covardemente atacar nas sombras! Não tem mais sua vantagem! O cavaleiro ainda ouve os choros na caverna próxima e sabe que isso tem que acabar! Ele corre para uma pequena câmara com o monstro destruindo tudo logo atrás. O lugar é pequeno, com pequenas colunas de rocha feitas pelo tempo dando uma vantagem para ele no lugar. O monstro gigante tem dificuldade para atacar! E o cavaleiro vai atacando seguidamente! Cortando! O monstro pouco se importa com os pequenos cortes, mas o cavaleiro continua atacando... cortando... cortando... cortando. Por mais que seja pequenas feridas, a cada golpe dado, vai abrindo mais e mais. Sangrando mais e mais.  O monstro começa a recuar e corre para a caverna de onde está vindo os choros. O cavaleiro determinado corre atrás. E quando entra, enxerga dezenas de mulheres presas, que ao ver o cavaleiro começa a gritar por socorro. O cavaleiro começa a procurar a criatura, mas onde ela está? Pergunta o cavaleiro!  E antes que elas pudessem falar o monstro pula para cima dele do alto onde escondido estava. Instintivamente o cavaleiro se prepara para se defender e acerta o monstro com sua espada, atravessando ele. O monstro começa a gritar tentado escapar novamente. Mas o cavaleiro o golpeia dando um fim na monstruosa ameaça! O silêncio toma conta do lugar por uns minutos.  E o cavaleiro, ferido e exausto olha para as prisioneiras: "Vamos para casa!" Mergulhando o lugar por gritos de alegria. O cavaleiro sorri e vê que valeu a pena! E antes que se render as comemorações, ele chama pela princesa enquanto soltava todas. "Não tem nenhuma princesa aqui!" Tendo a resposta de uma das mulheres. "Não! Mas disseram que estava aqui!" Olhando com uma frustração estampada no olhar. "Vamos, vamos sair daqui!" Levando elas para fora da caverna. O sol começou a aquecer seu corpo depois de algumas horas preso naquela frio lugar. E segurando o colar com força ele diz: "Obrigado, meu amor! Eu ainda vou lutar!" Seguindo para o reino com as recém libertadas prisioneiras. Quando chegou no reino, o lugar foi tomado por uma felicidade! A esperança transbordada daquele antes triste lugar. As notícias do seu retorno chegaram até o castelo, onde o rei o aguardava com as notícias. Quando o cavaleiro chegou com o olhar triste, o rei assim triste ficou! Contando a história toda o cavaleiro ficou, e o rei feliz por ter salvo seu povo, mas desanimado que sua filha não estava lá disse: " Ela só pode estar em um lugar então! E esse lugar o desafio é mil vezes pior! Mas como prometi, escolha seu prêmio cavaleiro, que assim eu vou realizar!" ... o cavaleiro olha para o rei e sem fraquejar diz: "Guarde o tesouro para quando eu voltar, meu rei! Minha missão incompleta ainda está!" Causando a surpresa de todos no lugar. "Mas vc realizou a tarefa do monstro matar!" Disse o rei sem compreender a decisão do cavaleiro. "Eu prometi salvar sua filha, e assim o farei! Só depois vou poder um tesouro pedir quando voltar!" Saindo do salão para descansar e assim sua missão continuar. O cavaleiro poderia ter pego o prêmio que tanto quer e partir atrás do seu amor. Mas ele sabe que se continuar sem ajudar, sua amada talvez nunca o irá perdoar. Ele quer muito estar ao lado de seu amor! E logo logo ele irá estar! E olhando no alto de uma torre o pôr-do-sol ele enxerga a esperança de um dia com seu amor estar. E sabe que isso logo logo irá se realizar! 

2 comentários:

  1. Cara tava olhando seu blog e vi suas historias muito loka!Nota 10...
    Tb tava tentando criar uma historia dos desenhos q eu faço mais ate agora nao ta dando muito certo!Vlw

    ResponderExcluir
  2. Obrigado! Fico feliz que tenha gostado!
    Mas desiste não... se vc tem uma história. Vale a pena investir até que saia algo.

    ResponderExcluir