domingo, 13 de novembro de 2011

Presença


É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas, levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos…
É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
as folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo…
Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu sentir
como sinto – em mim – a presença misteriosa da vida…
Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com o teu retrato…
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te.
 (Mário Quintana)

4 comentários:

  1. E era uma vez a historia de um cachorrinho que latia e corria atras de todos os carros que passavam em sua rua, um em especial chamava sua atençao,talvez por ser enorme,bonito,garboso ...sempre que o carro aparecia na ponta da rua la estava o cachorinho a latir e a correr, porem...um dia...do nada,o carro que sempre seguia seu curso sem dar importancia para o cachorrinho...parou...e o cachorrinho quando percebeu que ele parou, atonito nao soube o que fazer...

    ResponderExcluir
  2. Esse cachorro aqui espera esse carro voltar!

    ResponderExcluir
  3. Sonhei com vc,por duas vezes na mesma noite...

    ResponderExcluir