quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012



Como magoei você!
E me sinto tão pequeno para poder me desculpar com você.
Sem que a dor de ter feito o que fiz, me rasgar a carne e me devorar.
Destruindo cada dia meu sorriso por fazer você chorar.

Como posso deixar tão longe amor forte e verdadeiro assim?
Como posso amar você, e ficar longe sem minha presença fazer.
Para dizer que estou com você, sem medo de te querer?
Eu não sei...

Amo de amor ousado e incalculado na sua presença.
Que me encanta com teu sorriso e com seus olhos de rainha.
Que em meu mundo reina soberana, sem nada te tirar.

Amor, que sacia o pecado dos deuses com seu corpo.
E renasce no fogo encarnado que devora a vida com sua boca.
Sugando a energia que bate dentro de mim, batendo tudo por você.
Eternamente cicatrizado em meu peito, com seu nome sempre a dizer.
Cravado com esse afiado amor em meu peito, para nunca mais tirar  ou esquecer.

Como fui tolo, meu amor!
E agora pago os pecados dantescos pelas minhas ações.
De tirar tão precioso tesouro desses sonhos, sem Oneiros me permitir tal ato.
Agora vagando nesse pesadelo que sem ti, tudo fica negro.

Venha! Venha para mim! 
Perdoe esse tolo cavaleiro da cara metade, que errou por amor.
Fique ao meu lado! Fique com o amor que tanto quero te dar.
Me chame! Sinta meu pulsar e faça meus delírios de solidão sumir.
Deixando que eu te ame de amor real e verdadeiro.
Para assim esses sonhos se realizarem...

Não me deixe meu amor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário