domingo, 22 de abril de 2012

Despedaçado



Ando pelas noites, lentamente, esperando meu amor chamar!
Deixando aos poucos, pedaços de mim pelo chão ficar...

Seguindo sem rumo, esperando no luto, esse amor que não parece pensar em mim.
Corro, caminho, rastejo pelos cantos. Esperando ouvir uma palavra, que me traga vida novamente.
Sussurros ecoam no meu íntimo, em desespero de ser quem quero que chame.
Esmagando meu coração com a ansiedade que um amor apenas o faz.

Dor! Vejo pedaços no chão!
Esperança, amor, fidelidade e sonhos aos pedaços.
Cortando meus pés, com o sangue de quem te amou.

Aos poucos dissolvo na pureza de um amor verdadeiro.
Deixando o vento levar minhas partes, para onde nunca pensei estar.
Ausente! Perdido no seu caminho, sem poder mais ouvir sua voz.
Punido por tanto amar, sem nunca poder te encontrar.

Sinto que aos poucos me perco, deixando apenas a esperança me segurar!
Deixando meu coração batendo, por um milagre no lugar.
Me recompondo aos poucos, fazendo meus olhos brilhar.

Ando pela noite, talvez morto.
Ou apenas sentindo os sonhos se acabar.

Esperando por um milagre, que seja ela chamar.
Para assim o amor prevalecer, nesse lugar, que meus pedaços caem ao chorar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário