sábado, 12 de maio de 2012

O cavaleiro, livro 02 - parte 06 - Mentiras verdadeiras

Os dias passam, e os exércitos de Ancara e Miranda, já enviaram seus mensageiros para Anders, onde o rei Darius II os aguarda.

O cavaleiro  se isolou do castelo desde que Calard chegou. E o tempo só afasta mais e mais Marie dos seus braços. Que se encanta com as palavras que o monge negro diz.

- Edgard! O rei deseja que você esteja na reunião com os mensageiros de Ancara e Miranda. Diz Milo avisando o cavaleiro, que imediatamente o acompanha para onde está sendo realizada a reunião. Chegando lá, ele tem uma surpresa. Vannett, a mão direita do rei Willem de Miranda, era o mensageiro do reino.

- Cavaleiro, como estou feliz de vê-lo novamente! Diz Vannett sendo abraçado por Edgard, que mostra sua felicidade de vê-lo também.

- Meu amigo, também estou feliz de vê-lo novamente! Como está Willem? pergunta o cavaleiro.

- Você sabe como ele é, meu amigo! Teimoso como sempre! diz Vannett, sendo interrompido pelo outro mensageiro.

- Finalmente tenho a honra de conhecê-lo! Eu sou Felix! diz o mensageiro sendo cumprimentado por Edgard.

- A honra é minha! Ancara é uma cidade muito querida para mim! diz o cavaleiro sorrindo.

- O rei Alber e seus filhos Dante e Viviane mandaram lembranças! diz Felix para Edgard.

- Mande a minha também quando retornar! Diz o cavaleiro, quando o rei interrompe para começar a falar.

- Deixe essa conversa para depois! O que vocês trazem de tão importante para nós? pergunta o rei para os mensageiros.

- Ladis foi atacada majestade! diz Felix.

- E o reino dos Três Corações do rei também! Diz Vannett.

- Mas quem pode fazer isso? pergunta Milo assustado com a notícia.

- Foram os dragões! Diz Felix.

- Os dragões sumiram, desde a guerra em Reidra! Como pode ser isso acontecer? pergunta o rei Darius.

- Eu não sei! diz Vannett.

- Precisamos fazer algo a respeito! Sozinhos, não podemos lutar contra os dragões. Temos que todos os reinos se unir, para impedir essa ameaça. Diz Felix quando entram na reunião Marie e Calard acompanhando ela.

- O que ele está fazendo aqui? pergunta Edgard apontando para Calard.

- Ele está por que eu desejo! responde Marie para Edgard, que imediatamente fica em silêncio, respeitando as ordens da princesa, com todos olhando surpresos. O rei vendo o desconforto no que se formou, decide intervir para que não piorasse a situação.

- A reunião acabou! Falo mais tarde com vocês! diz o rei para os mensageiros, que se retiram para seus aposentos depois de se despedir de todos. Edgard e Milo também saem. Com o cavaleiro visivelmente bravo com as coisas que andam acontecendo. Chegando fora do castelo, Milo e Edgard decidem então conversar.

- O que foi isso que aconteceu? pergunta Milo.

- Ela não ama mais! Parece que tudo que ela sentia, era mentira! diz Edgard inconformado como Marie dá mais importância para um estranho, do que para aquele que ela diz amar.

- E o que você fará agora? pergunta Milo ainda sem entender.

- Ela quer ficar com esse homem ao lado, que fique! Isso só mostra que ela não me ama como diz amar. Que pelo jeito apenas eu estou amando por dois nessa história. Ela que fique de conversa com ele as escondidas! Que ela fique então com ele a noite, dizendo amores. Diz Edgard visivelmente bravo.

- Ela mudou! E mentiu sempre! diz Edgard saindo do castelo com Milo. Marie e Calard observam tudo do jardim do castelo, vendo ele se perdendo na multidão.

- Ele não a ama mais princesa! diz Calard.

- Será que ele amou um dia? pergunta Marie, visivelmente chateada com o que acontece.

- A carruagem anda princesa! E a sua está indo para caminhos diferentes do cavaleiro! Mundos totalmente diferentes, onde apenas o amor poderia unir. Mas o amor está perdido faz tempo! E nada pode mais unir novamente, pois o orgulho e crença de ambos, destina suas decisões. Você é apenas uma escrava das placas nessa jornada. Sempre aceitando o que jogam na sua frente. O cavaleiro é impulsivo, que segue o que sente, mesmo que isso o afaste. No final, cada um seguirá a maldição das suas ações, sem nada fazer para isso mudar. Diz Calard com a princesa em silêncio, procurando achar respostas para o que ele acabou de dizer, mas sem achá-las.

Calard sabe da insegurança da princesa. Que atormentada pelas suas escolhas, sentimentos e dúvidas. Busca conforto no primeiro que aparece estendendo as mãos. E a cada conversa com ela, em silêncio, longe da vista de todos, ele pode mais ainda se tornar íntimo dela. E assim sua confiança ganhar.

O amor que Edgard lutou, dando sua vida para conquistar e salvar, mostra ser pouco, para o que Marie deseja, e busca assim conquistar. Com seu misterioso e estranho companheiro, que do nada chegou, mas parece que sempre lá esteve. Como o homem ao lado dela, que ela confia e conversa mais, que com o homem que ela diz amar.

Edgard está preocupado com tudo que acontece. Sabendo que os dragões voltaram; e uma guerra contra eles também terá que travar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário