sexta-feira, 25 de maio de 2012

Saint Seiya Omega - segundas impressões

Fala pessoas, beleza?

Hoje venho aqui falar novamente da série de anime Saint Seiya Omega. E depois de oito episódios, já podemos falar algo a respeito.

A primeira coisa que digo é parem de querer comparar essa série, com a antiga. Os tempos são outros, e o desenho, supostamente infantil, é o tipo de arte de agora. Muitos reclamaram da falta de sangue, violência que continha no antigo e que nesse não aparece. Eu acho que você deveria prestar atenção na história. A superação dos obstáculos. A importância da amizade. Acreditar nos sonhos e a justiça que continha no antigo, permanece nesse novo! Estão mais reclamando por causa da armadura estilizada e a falta de violência, do que as partes mais importantes numa história.


Da esquerda, para a direita e de cima, para baixo: Kouga de Pégaso, Souma de Lionet, Yuna de Águia, Ryuho de Dragão, Éden de Órion, Haruto de Lobo, Seiya de Sagitário e Athena.

E em falar em história, como o antigo, para mim, começa sonolento. Com aquela pequena introdução, colocando personagens antigos, com os novos heróis da série. Contando rapidamente a história de cada um e que fim levou eles depois de tantos anos. Vemos o Seiya finalmente como o cavaleiro de ouro de Sagitário, dando para o Kouga  o posto de cavaleiro de bronze de Pégaso. Outros novos cavaleiros aparecem, como o filho do Shiryu com a Shunrei, Ryuho, que é o novo cavaleiro de bronze do dragão. E outros antigos, que aos poucos estão aparecendo. O novo inimigo, Marte (que para mim é chefão de Final Fantasy com aquele jeito dele) aparece e sequestra a Saori (Athena) no primeiro episódio, já colocando Kouga em sua missão de salvar Athena das garras do vilão e acaba conhecendo outros cavaleiros, que irão ajudar ele na aventura. Como sempre, tem uma certa rivalidade e desentendimento entre eles, mas que com o tempo, já está se tornando uma amizade, que só tende a fortalecer.

Eu não estou vendo nada de errado na série! A proposta de tantas mudanças, podem surtir efeito, para deixar sua história marcada. A mudança que mais achei estranha foi a de colocar elementos nos cosmos, coisa que para mim, deixou ele com muito cara de rpg. Estratégia de marketing para vender algum possível jogo talvez. O Chefão (Marte) também achei muito estranho, tipo, não tem cara de cavaleiros sabe. Mesmo eu sendo a favor das mudanças, como as armaduras que ficaram mais estilizadas, continuaram dando ar de cavaleiros. Mas esse chefão, como se fosse feito de cosmo, ou algo parecido, ficou para mim meio que fora da realidade cavaleiros. Eu gostei das lutas! Não são violentas como a do antigo, mas tem dinâmica e consegue passar a intensidade da batalha, apesar de rápidas ao meu ver. Mas acredito que seja por que é o começo, por isso talvez quiseram não focar muito nelas. O cavaleiro de ouro que apareceu, Ionia de Capricórnio, possível traídor de ouro da história e totalmente diferente dos antigos com sua técnica e estilo. Enquanto os antigos usavam combates corpo a corpo, com o poder da excalibur, esse não parece ser desse estilo, usando uma técnica mais de distância, como podem ver no video.


Eu acho que o anime é bom! Apesar de tantas críticas a respeito dele, por ser diferente do clássico. Tirando as violência, e o estilo de desenho da época, tudo que fazia o desenho ser o que era, continua. Dizem que é um desenho voltado para as crianças, mas enxergo ele sendo bem próximo do antigo em praticamente todo o aspecto. Vale a pena assistir e conferir com seus próprios olhos, sem ficar fechado para o antigo (que eu sou muito fã). 

Fiquem com a abertura do anime e abraço e beijos para todos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário