sexta-feira, 18 de maio de 2012

Trombadinha attack

Muito bem, vou falar de quando eu morava na R. Francisco Rodrigues Seckler. Foi a época mais criança da minha vida acho. Onde conheci muitos amigos. Aprendi a rivalidade de ruas nos jogos de futebol. Gastava fichas e mais fichas no fliperama no lado da padaria, perto do Castelo, agora a universidade Liceu Camilo Castelo Branco. Lembro que peguei marmita no Castelo, quando moleque para comer e minha mãe morreu de vergonha! kkkkkkkkk A casa do primeiro computador. Do Nintendinho. Do SNES, que eu alugava quase sempre jogos! Rushing Beat, Strike Gunner e Zelda alugava direto! :D Nessa casa foi quando comecei a ler as revistinhas da Marvel Comics e viciar. Das inúmeras encrencas que arrumava. Dos comandos em ação que eu acabei queimando e quebrando com a arminha de chumbo do meu irmão. Dos jogos de esconde-esconde, taco, polícia e ladrão, rouba bandeira e tantos outros. De amigos que realmente gostava demais.

Sempre jogávamos futebol com o time da rua do lado, o time do Lolo e companhia. Lembro do Marcelo, Rodolfo, Bruno, Albert, Vinícius, Robson, Jorge e tantos outros. Que sempre estavam lá para jogar. Lembro da velha que quando a bola caía lá, ela não queria devolver, mas depois de pedir tanto para ela, ela dava. Do terreno na frente da casa do Beni, que matávamos ratos! kkkkkkkk Das vezes que nos juntávamos para lutar contra o Marcelo e o Rodolfo, que eram os maiores da turma e os dois batiam em todo mundo! E eles corriam atrás da galera por quarteirões, até pegar e bater! E para fugir, subíamos na laje, ou pulávamos o muro das casas para não apanhar deles. Dai entrávamos pela casas da frente da minha, que tinha muro baixo e saíamos no quintal do Daniel. Lembro que derrubamos no soco e chute uma bananeira que caiu na tabela de basquete do Daniel e quebrou kkkkkkkkkk Tinha a Desiree e a Lidiane, vizinhas e que estuvam no Brunetti também. E sempre viam eu maloqueiro trombadinha causando na rua. Ficava jogando três dentro, três fora no portão de casa e fazia uma barulheira monstro. Dai minha mãe brigava kkkkkk

Tinha o doidinho do Rodrigo, que morava no prédio das turcas. Ele é muito pirado e só fazia coisas doidas. Arrumava confusão com todo mundo e se ferrava. Tinha o Alessandro (acho que era esse o nome) no prédio também e tinha uma certa rivalidade do prédio, com a galera da rua nos jogos. E lá morava a Ana Elisa *__* aaaahhhhhh

Sempre que eu percebia que a Ana Elisa estava na sacada do prédio olhando, eu queria ser o super-homem! Eu brigava sozinho com o Marcelo, que era 2x meu tamanho. Me empolgava no futebol e rouba bandeira, que era na frente da casa dela a rua que jogava. Já me estourei no skate (isso não estava planejado) para ela ver eu andar. E fui salvo pela Flávia, que era a enfermeira da galera. Já rasguei a minha mão com a alça de um balde, só por que tentei mostrar que era forte para ela kkkkkkkk Sempre roubava para ela ganhar nos jogos e deixar ela feliz hahahaha Ela tinha uma irmã chamada Paola, não acho que ela ia com a minha cara. Eu fiquei muito triste quando ela mudou e não podia mais ver ela, por que falaram que ela mudou para outro estado. E depois que mudei para o Tatuapé, descobri que ela tinha mudado para a rua de trás! :( E fui ver ela, mas não ia dar certo pela distância. Mas para frente teve coisa boa :)

Foi a casa que assisti a Copa de 94 sozinho, por que estava torcendo para a Itália e toda minha família tinha ido assistir a final da Copa na minha tia. Maldito Baggio! kkkkkkk

Tinha o Nick, que ficava uivando toda a noite. Tenho marca do dente dele no braço kkkkkkkkk Ele teve que ser sacrificado, por que era aquele tipo que cão assassino doido. Husky meio lobo. Tinha a Spin, que era a Husky boazinha, que você podia fazer o que quiser, que ela nem reagia. Tinha a Cindy, que se escondia sempre debaixo do armário e era um terror tirar ela de lá.

Eu realmente tive muitas coisas legais de verdade quando morei nessa casa. Mas nem tudo é flores, e foi nessa casa que meu pai faleceu. Ainda lembro de tudo... meu irmão Rogério me levando para o quarto e colocando em cima do beliche para falar o que aconteceu. O velório. Enterro. As pessoas que estavam lá.
Lembro de quando deitava na barriga dele para assistir filmes! Quando ele escutava as músicas dele de blues e jazz. Quando brigava comigo para estudar. É... :(

Muitas coisas boas, e outras ruins... mas fazem parte da minha vida! Eu fui um verdadeiro trombadinha, quando morei nessa casa! E tenho muitas histórias de verdade para contar! Quem sabe faço uma parte dois falando dela!

2 comentários:

  1. Na nossa infância, sempre tem uma maldita velhinha vizinha que não quer devolver bola. U___U
    Eu sofria com isso.

    ResponderExcluir
  2. Essa ai era um terror! Demorava horas para devolver, se devolvesse... muitas bolas que caiam lá, nem adiantava pedir.

    ResponderExcluir