sábado, 20 de outubro de 2012

Essa liberdade




Em meu pescoço, sinto apertando sem escolha.
Me guiando em caminhos que não desejo, apenas por prazer.
Sinto puxar sempre que me adianto, sempre que quero mais.
E nada disso aconteceria, se me dissesse antes a verdade.

Agora, tampando minha visão, enxergo apenas um caminho.
Onde tudo que sonhei está distante, está difícil de alcançar.
E enforcando meu pescoço sinto isso puxando.
Para me mostrar o quando me perdi de você!

E imagino o quanto eu era especial, até você me encontrar!
Quanto era apenas teu, até você me usar.

Puxo agora realidades imundas que suas ações forçaram.
Sem olhar para o lado para a vida poder aproveitar.
Vendo os sonhos passando, sem nada realizar.

Sabendo que foi você que me colocou aqui, para sempre lembrar:
Que a vida é cruél, para aqueles que felizes desejam estar!

Puxe! Puxe sentindo o pescoço apertando, deixando você sem ar.
Consciente de que nenhum sonho mais terá, enquanto ela controlar.
Colocando você sempre no caminho, que ela deseja ficar.
Sem opções! Sem sonhos! Sem a liberdade...
... que fazia você único!

Que fazia você sempre lutar!

Realidade... é sempre para esse lugar que vão te jogar!
Mostrando que o que mais deseja está ali, mas nunca poderá pegar!
Deixando você nessa estrada cinza, que sempre alguém vai te mandar.
Para um canto, ou outro. Realizando desejos, sem nunca os seus realizar.

Nessa liberdade que tenho agora.
Onde nenhum lugar posso olhar, ou andar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário