quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

A sua procura



Não ande sozinha, meu amor.
Onde almas juntas, ficam tão perdidas.
Onde cada imagem deixa a saudade do que se foi.
Jamais esquecidas no coração, ou na palavra dita e ouvida.

Machucados no orgulho de nossas opções. Tão submissa.
Nessa distância que nos deixa sempre perto, sem nunca um olá falar.
Frágeis nesse amor quebrado. Nessa dor. Traídos.
Onde nossos sonhos sem lutar, viram cinzas.

O tempo passa. Nosso amigo. Nosso inimigo.
Puxando com força nossos corpos longe um do outro.
Deixando apenas o que os olhos enxergam, sem a alma se explicar.
Sujando a inocência do sentimento, deixando a razão de fora estar.
Onde a verdade do amor está presa, afastando eu e você do mesmo lugar.

Ah, meu amor, como dói saber que está perdida.
Que não olha mais para os lados. Que não tem mais vontade de procurar.
Aquele amor que no passado era tão quente, que só de pensar podia queimar.
Deixando os dias nesse lugar perdido, esfriando ele para não mais lembrar.
Sabendo que estou gritando seu nome, mas você não quer escutar.

Penso nos dias puros que o amor causou em nossas vidas.
Lembrando que fomos um só. Que sentíamos uma vida querida.
Esperando novamente te achar, onde quer que esteja.
Para um fim, nessa história realizar.

E assim, poder dizer que o amor é absoluto.
E vale a pena aceitar e lutar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário