terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Inocência

          Faz um tempo que desliguei o computador e estava no quintal, sentindo aquela brisa refrescante de chuva, batendo no meu rosto . E estava vendo meu bairro, com o silêncio sendo quebrado por alguns carros. Olhando as dezenas de prédios que cercam minha casa, alguns com luzes acesas ainda pensando. Olhei para cima e aquele céu limpo, onde podia ver as estrelas. Coisa rara atualmente. E perguntei em pensamento o que eu estou fazendo com minha inocência. Decidi voltar para o quarto, ligar o computador e escrever a respeito. Sabe, eu era uma pessoa tão legal. Tão prestativa. Humorada. Interessado em leitura, cinema e música. E atualmente ando interpretando como um belo ator de cinema essas coisas. É bem triste isso na verdade, por que sei o que causou isso. Mas realmente isso é motivos para cair tanto?
          O problema é como ando me comportando. Posso estar ligando o cada um segue seu rumo. Mas ainda guardo uma enorme mágoa dessa pessoa. Eu como tento bancar o durão, sempre falo que esqueci. Que morreu. E demonstro isso. Mas na verdade, o sentimento maravilhoso ainda está aqui dentro. E evitando ele, estou evitando tudo que sou. O que me tornou interessante para essa pessoa, era como eu era. E hoje em dia sou nem lampejo disso. Quero minha inocência de volta! Quero sorrir com coisas simples. Sentir orgulho das coisas certas que acontecem, do que os outros fazem. Olhar para frente, com esperanças de coisas boas para todos. Ter honra e ser justo. Ter aquela vontade forte de sempre ser perseverante nos sonhos. Voltar a ser eu novamente. O cara que tantos gostavam e essa pessoa também gostou.
           Ultimamente ando sendo um completo idiota em relação a essa pessoa. Bem, do modo como a vida está, é melhor cada um estando no seu canto. Seguindo o que escolheu. Mas acredito que deva desculpas por muitas coisas que fiz para ela. De como tratei. Atualmente não ando conseguido ser muito gentil nas palavras. E descarreguei toda a mágoa, falando coisas para essa pessoa, que nem são da minha vida. Nem tinha direito de falar e falei. Mas ao mesmo tempo, sei que falei, para essa pessoa abrir os olhos. Não cair tanto assim e se cuidar. Viver sabe. Rs... essa brisa realmente deve ter feito algo comigo. Sabe quando você se sente tranquilo. Se sente livre de correntes que o seguram. Não tenho raiva dela. Nem pena. Nem desprezo. Eu desejo tanta coisa boa para ela, mesmo não falando praticamente nunca. Mas meus últimos atos, não devem ter sido vistos de forma legal. Eu até falaria com ela para me desculpar de tudo, mas não quero acender esse sentimento tão forte que tenho, sabendo que em nenhum lugar ele vai chegar. Antigamente, ficava horas falando com essa pessoa, e hoje, não tem nem mais um oi. Acho que perdi o charme, essa inocência que tanto tinha para mostrar.
          Quando estava lá fora, fiquei olhando as estrelas e acabei lembrando de algumas delas, como antigamente. Lembrando que não era um poço de inteligência, mas sabia de muita coisa, que poderia espalhar pelos cantos. Conversava de tantos assuntos. Debatia sempre com meus amigos, essa pessoa. Muitas vezes entrando em contradição, mas cada um respeitava e ouvia os diferentes pensamentos. Algumas vezes até concordando e mudando de visão. Aceitava conselhos de filmes, ouvia as músicas que me passava. Era bem aberto as coisas, mesmo tendo já fixa minha base. Onde foi que eu mudei tanto? Por que era tão cheio de onipresença... e agora sou uma casca daquilo que fui.
          Isso me incomoda tanto. Que escrevendo poemas, sempre descarrego minha mágoa dela. E quando tento escrever coisas boas, percebo o quanto da minha inocência foi tirada. Isso me deixa triste....

          Bem, isso é apenas um desabafo. Talvez um texto de desculpas indiretamente para essa pessoa. Desculpas para mim, por ter me perdido tanto assim, do que eu era.  É, algo assim... enfim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário